Configurações Linux
    

4 cuidados básicos que garantem a estabilidade do Linux

Vou listar, neste texto, uma série de cuidados que você deve ter, para manter a sua distro Linux sempre estável e livre de ameaças externas.
A lista não se esgota aqui. Há certas loucuras que iniciantes no Linux jamais irão fazer e, portanto, ficarão fora da lista, para que o texto não se prolongue muito.

Não instale aplicativos fora dos repositórios oficiais

Estou generalizando e sei que há muitos excelentes aplicativos e de qualidade inquestionável fora dos repositórios oficiais da sua distro.
Sites, como o britânico OMG! Ubuntu!, estão sempre oferecendo novidades que você pode baixar e experimentar — mas, com frequência é necessário adicionar repositórios instáveis ou PPAs de terceiros para poder fazer o download do aplicativo.
Além disto, muitos destes aplicativos estão esperando passar por um necessário processo de maturação, antes de começar a integrar os repositórios oficiais – então, para que a pressa?
A atitude correta é separar uma máquina para instalar e testar novos aplicativos, bem longe da sua máquina de trabalho

Arquivos .deb, .rpm etc.

face-devilishArquivos binários, distribuídos em pacotes não são, necessariamente, mais seguros do que aqueles distribuídos em pacotes .exe (para Windows).
O cuidado que você deve ter é o mesmo: tem que verificar se a fonte é confiável.
Verifique, também, se o aplicativo em questão já não se encontra nos repositórios da sua distro – de onde é mais seguro fazer o download.

Não use aplicativos de “limpeza” no Linux

É comum o usuário Windows, chegar ao Linux com a cultura da “faxina periódica”. O fato é que o Linux não seu deteriora sozinho e não há qualquer necessidade de formatar e reinstalar todo o sistema a cada 6 meses.
A concepção original do Linux é de um sistema operacional para servidores. Ele não foi projetado para ser reiniciado todo dia ou reinstalado todo ano — é normal um PC de mesa permanecer semanas sem ser desligado; um servidor passar anos sem ser reiniciado. A maioria das atualizações são feitas sem reiniciar a máquina.
O sistema de arquivos do Linux não precisa ser desfragmentado e você não precisa fazer limpeza da memória do sistema.
Relaxa.
Programas que prometem limpar o seu sistema Linux, podem causar mais danos do que benefícios, ao remover arquivos importantes do sistema. Não os use.

Dicas:

  • Não “abarrote” o seu HD. Organize os seus arquivos e mantenha sempre. pelo menos 20% do seu disco rígido livre.
  • Se quiser, mesmo, fazer uma faxina, leia este artigo — e faça isso de maneira segura.

Não misture ambientes gráficos de desktop

Depois de instalar o Ubuntu, não procure instalar outros ambientes de desktop – ainda que sejam “mais leves”.
Cada ambiente gráfico depende de uma série de bibliotecas. O KDE e o Gnome, ao serem instalados, trazem suas famílias de bibliotecas e aplicativos junto.
Você vai acabar com um sistema abarrotado de coisas inúteis e concorrentes. Toda esta poluição só vai servir para tornar o sistema mais lento e propenso a erros.
Eu encorajo as pessoas a experimentar todas as possibilidades do Linux. Mas, uma vez escolhido o ambiente desktop que te agrada mais, escolha uma distro puramente baseada nele e fique com ela.
O mesmo se aplica aos softwares nativos de cada ambiente. Não é uma boa ideia usar o K3b no Ubuntu, nem levar o Brasero para dentro do Kubuntu.
Se você usa o Ubuntu, ao instalar o K3b, virá uma centena de megabytes juntos em aplicativos e bibliotecas (do KDE/Qt) que não terão a menor utilidade pro restante do seu sistema e podem conflitar com outros aplicativos ou bibliotecas já instaladas.
O Distrowatch tem uma ferramenta para listar distribuições Linux, separando-as por características — inclusive por ambiente de desktop. Vale dar uma olhada.

Não faça experiências em máquina de produção

Ter uma máquina separada para brincar e experimentar coisas novas, é uma ótima opção.
A máquina em que você trabalha é “sagrada”. Instale a versão estável da sua distro preferida nela e use apenas aplicativos disponíveis em seu repositório oficial.

6 thoughts on “4 cuidados básicos que garantem a estabilidade do Linux

  1. Renan Rischiotto

    Olá!

    Legal o artigo. Gostaria de sugerir mais 2 coisas que eu acho que ficaria interessante acrescentar.

    1º Não fazer uma atualização de uma versão do Ubuntu (ou outra distro) para outra, e sim uma instalação limpa.

    2º Não usar partição /home separada da raiz, pois dá bugs.

    Abraços!

  2. Elias Praciano Post author

    Obrigado, pela contribuição, Renan.
    Embora o Ubuntu tenha esta ferramenta extraordinária de atualização (de uma versão para outra), concordo que não seja o ideal.
    Fiz uso deste recurso, quando atualizei o Ubuntu 13.04 para 13.10. Mas, naquele caso, já havia a previsão de formatar e instalar “do zero”, quando saísse a 14.04 LTS.

  3. Renan Rischiotto

    Então cara, esse esquema de atualização não deveria existir, afinal o Ubuntu não é rolling release, e se olharmos no site do Linux Mint, eles falam que o método que o Ubuntu usa para atualizar é ruim (não falam do que é necessário fazer antes da atualização), e eles tem um passo a passo para se desejar atualizar de uma versão do Mint para outra. Mas mesmo assim eu sempre vou achar que uma instalação limpa é sempre a melhor opção.

    E a questão da /home separada é outra coisa que dizem gerar polêmica, mas na realidade não tem o que discutir, /home separada pode trazer bugs, da primeira vez que fiz isso já tive problemas, e nesse vídeo do Blau ele fala um pouco sobre isso:

    https://www.youtube.com/watch?v=I3Vi06tAISY

    Veja á partir de 21:20.

    Se puder acrescentar esses pontos no seu artigo acho que ficaria bem legal, eu até já coloquei as suas dicas no fórum do Ubuntu, dando os devidos créditos:

    http://ubuntuforum-br.org/index.php/topic,112731.0.html

    Abraços!

  4. Renan Rischiotto

    Estranho, postei duas mensagens mas só uma foi rsrsr

    Bom aqui vai:

    Então Elias, esse negócio de atualização do Ubuntu não dá certo mesmo, tem várias pessoas que vem no fórum do Ubuntu falando que teve problemas após uma atualização. Na página do Linux Mint tem um tutorial mostrando como fazer a atualização do Mint de uma versão pra outra com “mais segurança”, eles dizem que o método que o Ubuntu utiliza é ruim pois não fala do que se tem que fazer antes da atualização, dos riscos que se corre e tal.

    A questão da /home separada é outra coisa que na minha opinião não deveria existir, pelo menos para usuários comuns sei lá, na primeira vez que eu usei /home separada tive bugs no Unity. Encontrei este vídeo do Blau (desenvolvedor da distro LaciOS) que ele fala sobre isso. Ele está mostrando a instalação da LaciOS e aos 21:20 do vídeo ele fala sobre isso. Para mim pareceu um argumento bem lógico e faz sentido.

    https://www.youtube.com/watch?v=I3Vi06tAISY

    Se puder colocar estes pontos no seu artigo acho que ficaria perfeito rsrs

    Eu até coloquei o seu artigo no fórum do Ubuntu, com os devidos créditos claro =)

    http://ubuntuforum-br.org/index.php/topic,112731.0.html

    Abraços!

  5. Elias Praciano Post author

    Obrigado, Renan.

    Um dos objetivos dos comentários é permitir que os leitores complementem o artigo. Eu não sou dono da verdade e você trouxe pontos importantes e bem embasados. Acredito que serão úteis a outros leitores.

    Eu agradeço pelo seu tempo e pela sua valiosa contribuição ;)

Comments are closed.